top of page

Prefeito e vereadores de Xapuri condenam ações do ICMBio no município

Cerca de 100 pessoas lotaram, na tarde da última quarta-feira, 23, as dependências da Câmara Municipal de Xapuri para protestar contra as recentes ações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) no município. Funcionários do órgão ambiental estão sendo acusados de cometer abusos nas abordagens a moradores da reserva extrativista que leva o mesmo nome do instituto. Segundo alguns relatos, há truculência e desrespeito com famílias assentadas durante as atividades de fiscalização.



Durante a reunião, que contou com a presença da maioria dos vereadores e do prefeito de Xapuri, Ubiracy Vasconcelos (PT), muitas acusações foram feitas contra os fiscais do ICMBio. A maioria dos presentes afirmava ter a condição de morador da reserva, mas quando perguntados se possuíam cadastro na Associação de Moradores e Produtores (Amoprex), vários responderam que não. Outros, que são comprovadamente moradores da unidade de conservação informaram que foram notificados pela prática de crimes ambientais.


O prefeito Ubiracy Vasconcelos, que participou de todo o encontro, manifestou a sua preocupação com as denúncias feitas contra funcionários do órgão ambiental federal, mas chamou a atenção para as questões relacionadas à legalidade. Para ele, deve haver a separação do que representa o cumprimento da lei pelos fiscais do ICMBio e a maneira de se abordar as pessoas, seja dentro ou fora da unidade de conservação. O gestor municipal manifestou apoio ao movimento contra os supostos abusos cometidos.


“Nós temos um posicionamento muito claro quanto a isso. Eu não defendo ilegalidade, mas não posso concordar, enquanto cidadão e prefeito, com as atrocidades que estão acontecendo, de se queimar a casa de trabalhadores, de expulsar, de ameaçar e multar aleatoriamente. Então, são coisas que nós precisamos conversar, separar as duas coisas. Seja quem for o responsável pelas ações de fiscalização na reserva ou fora dela, não se pode tratar trabalhador como bandido e, isso, infelizmente, tem acontecido”, afirmou.